MECANISMO DE AÇÃO DA PRECE- MOCIDADE

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

- Conceituar prece à luz da Doutrina Espírita;

- Identificar os mecanismos que estão presentes na prece, identificando o FCU como o meio de transmissão dos pensamentos e da prece;

- Reconhecer na prece o intercâmbio com o mundo espiritual superior e também como instrumento de paz e harmonia para aquele que ora.

CONTEÚDO

A prece é a maneira pela qual, através do pensamento expresso ou não em palavras, a criatura se liga ao Criador. É o meio de comunicação com Deus e com os planos mais altos da vida. Podendo ser feita em qualquer lugar e a qualquer momento: na rua, em casa, no Centro Espírita, na escola, de maneira espontânea ou decorada. Devemos orar com palavras simples e sinceras, sabendo o que estamos dizendo.

Orar a Deus é pensar nele; é aproximar-se dele; é por-se em comunicação com ele.

Três situações podem ser propostas por meio de uma prece: louvar, pedir, agradecer.

Para entendermos o que ocorre quando oramos, precisamos compreender que estamos mergulhados no Fluido Universal, que ocupa o espaço, todos os seres encarnados e desencarnados. Esse fluido recebe da vontade uma impulsão; ele é o veículo do pensamento, como o ar é o veículo do som, com a diferença de que as vibrações do ar são circunscritas, ao passo que as do fluido universal se estendem ao infinito. Dirigido, pois, o pensamento a um ser qualquer, na Terra ou no Espaço, de encarnado para desencarnado ou vice-versa, uma corrente fluídica se estabelece entre um e outro, transmitindo de um ao outro o pensamento, como o ar transmite o som.

Deus, sendo onisciente, sabe o que precisamos. Mas a prece é necessária par que elevemos as nossas vibrações e criemos condições para o auxílio; atrai, ainda, os bons espíritos e permite que percebamos suas boas inspirações. Pedimos o que queremos, Deus nos dá o que precisamos.

ATIVIDADES DO
EVANGELIZADOR
Primeiro momento:
Iniciar a aula conversando com a turma sobre as questões que foram encaminhadas por e-mail: “Para você, o que é prece?” “Você tem orado?” “Como tem feito suas orações?”.
Ouvir as respostas da turma, levando-os a refletir sobre o que está sendo falado.

Segundo Momento:
1. Entregar para cada aluno um pequenino pedaço de chocolate e pedir que o engulam inteiro, sem, ao menos sentir o gosto, rapidamente mesmo.
Depois, entregar, para cada jovem, um outro pedaço de chocolate do mesmo tamanho do anterior e pedir que o saboreiem, deixando-o derreter na boca, enfim, que o comam bem devagar.
2. Após essa degustação, pedir que façam um paralelo entre a maneira que o chocolate foi ingerido e a forma que utilizamos para fazer nossas orações.
Complementar explicando que, quando fazemos nossas preces sem pensar, com pressa, sem sentimentos, é como comer o chocolate sem sentir o gosto, é quase como se não o tivéssemos comido. Mas, ao contrário, de quando oramos com amor e sinceridade de sentimentos, com calma, pensando no que estamos fazendo, é como comer o chocolate devagarinho, saboreando-o, com vontade, sentindo o gosto do chocolate que fica na boca.
3 – Dinâmica: encontre a resposta para a minha pergunta. (Anexo 1).
Ao final deste momento, citar algumas experiências científicas do poder da oração. (Anexo 2)

Terceiro momento
- Conforme combinado com a turma, nos 10 minutos finais, haverá um espaço para dúvidas referentes a assuntos diversos, à luz da Doutrina Espírita.

3. Encerramento e prece final.


TÉCNICAS:
- Exposição participativa;
- Diálogo participativo;
- Reflexão


RECURSOS

- Barra de chocolate previamente dividida em pequenos pedaços
- 8 fichas de respostas
BIBLIOGRAFIA

1. O Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec, Cap. XVII e XVIII;
2. O Livro dos Espíritos, Allan Kardec, Livro 3º, Cap. II , Questões 658 a 666.
3. Sites consultados: http://www.searadomestre.com.br/evangelizacao/ e http://www.cvdee.org.br/ev_plano.asp

AVALIAÇÃO: A AULA SERÁ CONSIDERADA SATISFATÓRIA SE, AO FINAL DA AULA, OS EVANGELIZANDOS CONCEITUAREM PRECE A LUZ DA DOUTRINA ESPÍRITA E CITAREM, PELO MENOS, 3 BENEFÍCIOS DECORRENTES DELA.


ANEXOS – MECANISMO DE AÇÃO DA PRECE
1 Dinâmica encontre a resposta para minha pergunta: a evangelizadora irá fazer as perguntas pela ordem que se segue. Os evangelizandos deverão procurar as respostas de cada pergunta por toda a sala, pois foram previamente espalhadas e coladas em vários pontos. Encontrando a resposta correta, o aluno deverá lê-la em voz alta e explicá-la para todos. Se houver necessidade, a evangelizadora deverá complementá-las.
Perguntas:
1. O que é prece?
2. O que significa louvar a Deus?
3. Por que precisamos orar, se Deus sabe do que precisamos?
4. Será que Deus sempre ouve as nossas preces? E Ele sempre nos dá o que pedimos?
5. Devemos orar apenas quando temos dificuldades? Ao final da resposta do aluno, citar aqui o exemplo da água da piscina: se esta água não for tratada com produtos adequados e feita a limpeza regularmente, ela acaba ficando suja e, até mudando de cor, tornando-se esverdeada e feia. Assim também somos nós: precisamos da prece regularmente (todos os dias), para que possamos estar em sintonia com Deus e sempre fortalecidos diante das dificuldades que fazem parte da vida de todas as pessoas.
6. De que maneira a oração atinge o seu alvo?
7. Há três maneiras de orar, quais são elas?
Repostas
1. Maneira pela qual, através do pensamento expresso ou não em palavras, a criatura se liga ao Criador. É o meio de comunicação com Deus e com os planos mais altos da vida.

2. É dar-se conta da perfeição da criação, da superioridade de Deus, é reconhecer a natureza e o Universo que Deus criou.

3. Para nos colocarmos em sintonia com Deus, para sermos melhores auxiliados; para mais facilmente ter coragem, intuição ou ajuda de nosso espírito protetor e outros amigos espirituais. Enfim, para que possamos utilizar de maneira mais consciente o nosso livre-arbítrio.

4. Sim, sempre somos ouvidos, mas nem sempre o que pedimos é o melhor para nós. Da mesma forma que um pai não dá ao filho pequeno um brinquedo com o qual ele possa se machucar.

5. Não. Devemos orar sempre, mesmo quando tudo está bem, para termos forças e fé e assim superando as dificuldades quando elas aparecerem.
6. Estamos mergulhados no Fluido Universal, que ocupa o espaço, todos os seres encarnados e desencarnados. Esse fluido recebe da vontade uma impulsão; ele é o veículo do pensamento, como o ar é o veículo do som, com a diferença de que as vibrações do ar são circunscritas (só vão até um certo ponto), ao passo que as do fluido universal se estendem ao infinito. Dirigido, pois, o pensamento a um ser qualquer, na Terra ou no Espaço, de encarnado para desencarnado ou vice-versa, uma corrente fluídica se estabelece entre um e outro, transmitindo de um ao outro o pensamento, como o ar transmite o som.

7. Louvando, pedindo e agradecendo.


2 Matéria sobre a prece, no site:
http://www.forumespirita.net/fe/fluidoterapia/(b)evidencias-do-poder-da-oracao-desafiam-o-paradigma-medico(b)/
EVIDÊNCIAS DO PODER DA ORAÇÃO DESAFIAM
O PARADIGMA MÉDICO

(matéria publicada na Folha Espírita em setembro de 2005)

Folha Espírita entrevista o Dr. César Geremia (AME-RS), endocrinologista pediatra
Especialista em Pediatria e mestre em Medicina com ênfase em Endocrinologia Pediátrica, o gaúcho César Geremia, 41, tratou do tema Ciência e Espiritualidade no V Congresso Nacional da Associação Médico-Espírita do Brasil (Mednesp), de 26 a 28 de maio, em São Paulo (SP). Abaixo, os principais pontos abordados:

Folha Espírita – As pesquisas sobre a eficácia da prece são atuais?

César Geremia – Desde o final do século 19 já existem dados relevantes sobre a importância da espiritualidade na saúde humana. Muitos desses resultados passaram despercebidos ou não foram valorizados. Atualmente, um número expressivo de instituições governamentais e privadas de prestígio, como o National Institute of Health, tem patrocinado grandes levantamentos epidemiológicos sobre essa questão. E os resultados são inquestionáveis: a religiosidade afeta favoravelmente inúmeros parâmetros de saúde e de qualidade de vida. Esse fato, com grandes implicações médicas, sociais e antropológicas, não pode mais ser negado, mas não prova a existência de Deus, nem a existência de uma realidade espiritual. Muitos dos benefícios da religiosidade na saúde humana podem ser explicados por fatores convencionais como: alívio do estresse pelo suporte psicossocial que os grupos religiosos oportunizam; diminuição de fatores de risco relacionados a diversas doenças, como álcool e fumo; adoção de hábitos saudáveis; e mobilização de recursos fisiológicos já bem estudados pela psiconeuroimunologia.
Mas há algo muito precioso em meio a tudo isso: um número crescente de publicações, em revistas conceituadas, tem abordado o efeito da prece intercessória na saúde humana. À primeira vista, pode parecer algo de pouca importância, pois todos nós, que oramos, sentimos a ação benéfica da prece sobre o corpo e a alma, sem necessitarmos de provas adicionais. O que tem então de extraordinário esse fato? Os estudos sobre a ação da prece a distância revelam que há algo, além dos agentes físicos conhecidos, capaz de exercer ação mensurável sobre outro ser humano e sobre diversos sistemas biológicos e físicos (cultura de fungos e bactérias, germinação de sementes, eventos físicos aleatórios, etc.). Essa força não está condicionada ao tempo e ao espaço; é movida pela intenção; chega ao seu destino de forma instantânea e precisa. É a realidade transcendente da vida que se descortina aos olhos do observador atento e que ama a verdade. Ao nosso ver, as pesquisas nessa direção construirão a ponte definitiva entre o físico e o extrafísico e servirão de base para uma nova compreensão da realidade em que vivemos e para a revalidação da cosmoética fundamentada no amor e na fraternidade. Em suma, as evidências que demonstram a eficácia da prece intercessória na saúde humana desafiam o paradigma médico oficial e a visão mecanicista de mundo que ainda predomina no meio científico. Esses estudos apontam para uma realidade transcendente da vida e do ser.

FE – Que contribuições nos trazem a Física moderna e a Neurofisiologia na compreensão do mecanismo de ação da prece?

Geremia – A Física moderna tem descortinado uma realidade física absolutamente distinta da realidade que os sentidos somáticos percebem. No universo quântico, todas as coisas – pessoas, seres, astros, mundos, o infinitamente pequeno e o infinitamente grande – estão conectados de forma instantânea. A velocidade da luz não mais impõe limites à troca de informações e à mútua influência entre tudo e todos. Essas novas concepções da Física, muitas já comprovadas experimentalmente, mostram a possibilidade de múltiplas dimensões no universo e dão respaldo à Doutrina Espírita, que postula que todos os fenômenos anímico-mediúnicos são fenômenos naturais, que obedecem a leis bem definidas, e que devem ser estudados como os demais fenômenos da natureza. A Neurobiologia, por sua vez, mostra que o sistema nervoso, ao longo de uma evolução multimilenar, desenvolveu estruturas cerebrais específicas, destinadas à experiência religiosa e aos fenômenos espirituais em geral. Quando oramos ou entramos em êxtase meditativo, certas regiões encefálicas são ativadas, enquanto outras entram em repouso relativo. Isso nos mostra que estamos desenvolvendo instrumental orgânico progressivamente mais eficiente para vivenciarmos o Divino.

FE – Por que a dúvida persiste?

Geremia – Entre a dúvida e a certeza fundamentada na razão existe um caminho de obstáculos que todos nós, de alguma forma, já percorremos ou estamos percorrendo. O maior obstáculo é o preconceito: científico e religioso. Temos uma tendência inata a nos apegar a valores, conceitos e pressupostos que, no seu conjunto, formam nossa visão de mundo. Enxergamos, interpretamos e julgamos pelas lentes do já conhecido e familiar. Qualquer coisa que possa ameaçar a integridade e a segurança desse mundo que construímos dentro de nós gera medo e reação em contrário. A dificuldade em aceitar os fenômenos espirituais como legítimos por parte da ciência oficial deve-se, em parte, ao medo de retrocesso ao obscurantismo da Idade Média e à tutela dogmática das religiões institucionalizadas que, como todos sabemos, retardaram enormemente o avanço e a difusão do conhecimento. Existem também dificuldades metodológicas inerentes ao estudo dos fenômenos espirituais, que muitas vezes não apresentam a reprodutibilidade fácil que todo investigador espera. No entanto, o tempo e o trabalho infatigável dos que amam a verdade, em todos os campos do conhecimento, independentemente de credo, farão com que os princípios espíritas, universais que são, sejam progressivamente legitimados no âmbito da Ciência e da Filosofia. Um novo alvorecer se aproxima.

3 comentários:

Ana Lúcia Prôa disse...

Muito boa sua aula!!!! A dinâmica do chocolate é ótima e acho que é uma forma inesquecível de os jovens associarem a importância de uma prece mais "elaborada" (e igualmente gostosa de se fazer, como o chocolate!). Irei utilizar com meus alunos. Abraços e obrigada!

Anônimo disse...

Obrigado pela publicação. Utilizarei no próximo encontro com a certeza que será uma excelente exposição.

José Augusto disse...

Utilizarei na proxima aula sobre o poder da prece. Achei Ótima a dinâmica do chocolate!

Postar um comentário