Provas da Existência de Deus

IDADE: 11-12 anos
OBJETIVOS:
-refletir sobre o efeito e a causa inteligente;
- perceber a existência de Deus
através de sua obra e das leis que a regem.
INCENTIVAÇÃO:
Perguntar às crianças: se você chegasse a uma ilha aparentemente deserta, e de repente encontrasse um machado rústico feito de madeira, metal, etc, o que você pensaria?

( tem homem nesta ilha, ela não é deserta).

Por quê?

(porque esse objeto só poderia ser feito por um ser inteligente).
Pelo tipo de objeto é possível saber que tipo de civilização existe ou existiu ali? Se ao invés de encontrarmos um machado rústico, nós encontrássemos uma estatueta de mármore, a que conclusão chegaríamos? ( que na ilha vive ou viveu uma civilização mais adiantada)
Como podemos avaliar o grau de desenvolvimento ou de inteligência de um ser? ( por exemplo, comparar um desenho de uma criança de pré-escola com um de 7ª série ). (Trabalhar o item 4, capítulo II de A Gênese).

DESENVOLVIMENTO:

Desde os tempos mais remotos o Homem tem-se perguntado:
"Existe um Deus ?" O que vocês acham? Se formos estudar a evolução do Homem vamos encontrar nas civilizações mais simples ( índios, selvagens) e nas civilizações mais adiantadas (Maias, Incas), a idéia de um ser superior. (pedir que alguém leia a questão 5 de O Livro dos Espíritos e após discussão, a questão 6).
E se a pessoa negar esse sentimento intuitivo e disser não crer porque não existem provas, você teria outro argumento para fazê-lo refletir na existência de Deus? (refletir sobre a questão 4 de O Livro dos Espíritos).
Bem, vimos no início do estudo que:
 Julga-se a existência do Homem antidiluviano pelos fósseis e fragmentos de vasos, uma pedra trabalhada, etc,
 Pela grosseria ou perfeição do trabalho reconhecer-se-á o grau de inteligência dos que o executaram.
(refletir sobre o item 5 de A Gênese, cap II ).
As provas da existência de Deus estão nas suas obras mas, há pessoas cultas, inteligentes que atribuem a formação de tudo que existe ao acaso? (trabalhar as questões: 8 de O L.E.; cap.II, item 7 de A Gênese).
Mas, se essas verdades estão assim tão evidentes, por que razão a maioria dos próprios cientistas, acostumados a lidar com a magnitude da obra universal, desde o microcosmo das partículas invisíveis até as galáxias mais distantes, ainda não se renderam e admitiram publicamente a existência de Deus?
(O orgulho é que gera a incredulidade. O Homem orgulhoso nada admite acima de si. Por isso é que ele denomina a si mesmo de espírito forte).
CONCLUSÃO:

Palavras de Eurípedes Barsanulfo: " O Universo é obra inteligentíssima
que transcende a mais genial inteligência humana. E, como efeito inteligente tem uma causa inteligente, é forçoso inferir que a do Universo é superior a toda inteligência. É a inteligência das inteligências, a causa das causas, a lei das leis, o princípio
dos princípios, a razão das razões, a consciência das consciências, é Deus! Deus!...nome mil vezes santo que Isaac Newton jamais pronunciava sem descobrir-se!...
FIXAÇÃO:
Contar a passagem de Isaac Newton: "Isaac Newton (1642-1727), físico e
matemático é considerado o pai da física clássica.

Conta-se que certa vez Sir Isaac Newton pediu a um mecânico dotado de extraordinária perícia para fazer-lhe uma réplica em miniatura do nosso sistema solar, com esferas representando os planetas, conjugadas por engrenagens e correias que lhe conferissem movimento harmônico na medida em que fossem acionadas por uma pequena manivela. Mais tarde, Newton recebeu a visita de um amigo cientista que não acreditava em Deus. Sua palestra foi relatada no Minnesota Technology:
"Certo dia, quando Newton estava sentado em seu estúdio, lendo, com seu mecanismo perto de si, numa grande mesa, entrou seu amigo incréu. Como cientista, reconheceu imediatamente o que tinha diante de si. Chegando-se perto, moveu vagarosamente a manivela e observou com indisfarçada admiração os corpos celestes movendo-se todos na velocidade relativa às suas órbitas. Afastando-se alguns pés, exclamou:
- "Oh! Que coisa primordiosa! Quem fez isso?" Newton sem levantar os olhos de seu livro, respondeu: "Ninguém!"
Voltando-se rapidamente para Newton, o incréu disse:"Evidentemente não entendeu a minha pergunta. Perguntei quem fez isso? Levantando seus olhos, Newton assegurou-lhe solenemente que ninguém o fizera, mas que o conjunto de materiais, tão admirado, assumira por acaso a forma que tinha . Mas o incréu assombrado replicou um pouco acaloradamente: " Deve pensar que sou tolo! Naturalmente foi “feito por alguém e este é um gênio, e eu gostaria de saber quem é”.
Pondo de lado o livro, Newton levantou-se e deitou a mão no ombro de seu amigo.
-
- "Esta coisa é somente uma imitação insignificante de um sistema mais grandioso, cujas leis conhecem, e eu não o posso convencer de que este mero brinquedo não foi projetado e nem feito por alguém; no entanto você professa crer que o grandioso original, de que se copiou o desenho, veio a existir sem ter sido projetado e feito por alguém! Ora, diga-me, por meio de que espécie de raciocínio chegou a tal conclusão???

Recadinho da M.Lucia:
1.) Querido evangelizador, não encare o conteúdo desse Blog como aulas prontas! Aproveitem como dicas, sugestões, como se fossem aquele acender de um fósforo que fará iluminar as suas próprias idéias, como ocorre comigo quando encontro um texto, uma idéia, uma aula...Você tem inteira liberdade , e deve tê-la, de mexer na aula, adaptar, modificar de acordo com as necessidades de seus evangelizandos, transformar as vivências e dinâmicas de acordo com seu gênio criador!!! Fique a vontade.
Obs: Aqui eu posto as aulas originais, respeitando os devidos créditos dos seus autores.
2.)Não se esqueça de de procurar em "Categorias", o que estiver buscando, e deixar comentários, sugestôes, dicas, suas vivências! Abraço fraterno.

3 comentários:

Gabriel disse...

O Evangelho é um só. Não existe releitura conceitual ou mais técnica sobre ele. E o que está escrito, está escrito.

Deus seja louvado, e seu filho Jesus. Amém.

Bia disse...

Adoro verificar teu blog, para ter ideias!!! Beijos

Artices da Zappa disse...

Adorei a menção sobre Newton! Vai enriquecer imensamente nossa aula. Gratidão.
Andrea Zapparoli

Postar um comentário