Historia da Evangelização Espirita


Analisando os aspectos históricos do Movimento das Mocidades Espíritas em Todo o Pais e no Mundo.


ASPECTO HISTÓRICO DAS MOCIDADES E JUVENTUDES  ESPÍRITAS

Não há documentos que atestem ser a década de 1930 a data para o surgimento dos grupos de jovens com o objetivo do estudo da Doutrina  Espírita; nem quem foi o receptor intuitivo desse plano de trabalho, que certamente foi elaborado pela Espiritualidade.
Pela espiritualidade, sim! De outra sorte, careceria de explicação plausível a singular multiplicação, o estranho fenômeno de crescimento dos núcleos juvenis espíritas.
Ramiro Gama fala em 1933, na cidade de Araçatuba a primeira Mocidade Espírita; Alberto Nogueira da Gama registra a fundação da União das Juventude Espírita, em 22 de maio de 1932, na sede do Centro Espírita Maria de Nazaré, em Santana, São Paulo – Capital, como marco ... Segundo  pesquisas a primeira Mocidade Espírita seria fundada na cidade de Bebedouro/SP, em  1930.
Por todo o país, jovens idealistas, sob a inspiração da Espiritualidade, projetam e concretizam locais de estudo, onde pudessem cultivar o pensamento e trabalhar pelos ideais do coração.
Desse movimento desencadeado e intensamente desenvolvido, na Guanabara (hoje Rio de Janeiro) nasce a 31 de agosto de 1947 a União das Juventudes Espíritas do Distrito Federal,  fundada por uma assembléia das Mocidades Espíritas da Guanabara e  em 25 de julho de 1948, por deliberação do 1º Congresso de Mocidades Espíritas do Brasil, nasce o Conselho Consultivo de Mocidades Espíritas do Brasil. Figuravam como os dois únicos organismos federativos do Movimento Espírita Juvenil ...
As Mocidades Espíritas se viam na obrigatoriedade de se definir para um outro lado, fracionando o espírito de solidariedade e trabalho.
Em 05 de outubro de 1949 surge o Pacto Áureo,    definindo a Federação Espírita Brasileira. Os dois organismos federativos, de pronto, entenderam a situação e aderiram incondicionalmente e há 13 de NOVEMBRO DE 1949 em  radiosa manhã de Domingo, nos estúdios da Rádio Clube do Brasil, na Hora Espiritualista , João Pinto de Souza e com a intercessão conciliadora de Geraldo de Aquino, diretor do programa, consumava-se, enfim, o ATO DE UNIFICAÇÃO DAS MOCIDADES E JUVENTUDES ESPÍRITAS, das quais  aqueles dois órgãos eram a mais alta expressão representativa. Surge , então o Departamento  de Juventude  da Federação Espírita Brasileira.
Esta data surge para a história das Mocidades Espíritas como representando o idealismo acima do personalismo, da confraternização acima do fracionismo, da mensagem esclarecedora acima do melindre do estudo e do trabalho acima dos obstáculos pessoais...
DIA 13 DE NOVEMBRO brilha para a HUMANIDADE como sendo o DIA DO JOVEM ESPÍRITA.

A PRIMEIRA MOCIDADE ESPÍRITA NO MUNDO

Os espíritas podem agora começar, como reais pensadores e filantropos, a trabalhar nas verdadeiras raízes da sociedade.

Estas palavras foram pronunciadas há 100 anos, quando o movimento de jovens espíritas foi iniciado em New York, no dia 25 de janeiro de 1863. São, todavia, tão atuais como se tivessem sido pronunciadas hoje pela  manhã. Com elas Andrew Jackson Davis iniciou o movimento de jovens espíritas no mundo. Davis foi um extraordinário médium americano nascido em 11 de agosto de 1826, em Blooming Grove, Orange County, Estado de New York. Desencarnou em 1910.
Propagandista espírita e sensitivo de extraordinária faculdades, Davis foi levado, em transporte, a uma colônia espiritual que lhe disseram chamar-se Summerland. Ali deparou com uma organização social maravilhosa, destacando-se grupos de jovens em labor espiritual. Em confronto com o que viu, as escolas dominicais das diversas religiões na Terra pareceram-lhe verdadeiras aberrações onde as crianças encarnadas aprendiam toda uma série de idéias errôneas e perniciosas, capazes de torná-las limitadas e intolerantes, arruinando-lhes a vida.
Numa palestra realizada no Dodsworth Hall, nº 806, Broadway, New York, no dia 25 de janeiro de 1863, narrou o que viu e fez comparações com o que existia na Terra. Ao conjunto de seus pensamentos foi dado o nome de Harmonial Philosophy.
No mesmo dia foi iniciado o novo movimento, abrangendo jovens de todas as idades, dando começo ao que no Brasil denominamos “Curso de Moral Evangélica” e Mocidades ou Juventudes Espíritas. A isto Davis denominou Children’s Progressive Lyceum, flagrantemente homenageado a antiga escola ateniense onde Sócrates ministrava ensino aos seus discípulos. Assim nasceu o Movimento Liceumista no seio do Espiritismo. Dai para a frente, propunha-se que a criança e o jovem deveriam aprender as verdades do mundo espiritual mediante uma compreensão racional e não mais em conformidade com as rançosas prescrições da teologia ortodoxa.
As reuniões eram dominicais e nelas faziam-se promoções em torno da verdade, do amor, da beleza, da arte, da saúde, da ciência e da filosofia. Essa instrução, entretanto, deveria ser ministrada de quatro maneiras diferentes. Fisicamente por exercícios e diversões sadias; intelectualmente, pela leitura e o estudo; moralmente, pelo estudo da mente e o encorajamento ao aprofundamento de raciocínios; e com mais ênfase, espiritualmente, pelo exame das verdades que constituem o eixo da vida.
Um dos lemas do movimento era: Vivemos para aprender e aprendemos para viver. A Inglaterra foi o segundo país a acolher o movimento de jovens espíritas, levado à ilha por James Burns, editor do Medium and Daybreak. O avanço na Grã-Bretanha foi feito pelas cidades de Nothinghan, em junho de 1866 e Keyghley, no Yorkshire, onde, em 1853, com seus amigos owenistas(discípulos do líder socialista Robert Owen), David Richmond havia fundado o primeiro templo espírita da Inglaterra. Com o progresso do núcleo de Keyghley, fundado em julho de 1870, em outubro de 1884 fundava-se o terceiro em Sowerby Bridge.
Andrew Jackson Davis, o fundador do movimento de mocidades espíritas, foi uma espécie de João Batista , preparando o caminho para a Terceira Revelação já bem antes das Irmãs Fox e Allan Kardec.
O movimento liceumista floresceu extraordinariamente, até 1930, quando entrou em declínio. Os freqüentadores se tornaram mais raros  e os núcleos se foram extinguindo. E é muito curioso notar  que, ao mesmo tempo, a idéia como que se transferiu para o Brasil.  A 22 de maio de 1932 moços espíritas  se reuniam em São Paulo e ali, no Centro Maria de Nazaré, constituíam o primeiro núcleo de que se tem notícia em terras do Cruzeiro. Tal qual sucedeu com o movimento esboçado por Davis, a idéia se propagou. O segundo núcleo brasileiro parece ter sido em Santos, Estado de São Paulo, fundado a 14 de junho de 1934. O Andrew J. Davis brasileiro chamou-se Luís Gomes da Silva.
Tendo por modelo o grupo paulista, em 1936 outras entidades de jovens começaram a surgir no Rio de Janeiro.
ARTIGO: Mocidade Espírita
FONTE: Anuário Espírita de 1971                                           

UM ANO PROFÍCUO PARA AS MOCIDADES


                               Desde algum tempo, além do comando seguro e responsável de suas Diretorias Executivas, a USE possuía duas molas propulsoras: a forte participação das Mocidades no movimento e as Semanas Espíritas Municipais, logo transformadas em Concentrações Inter-Regionais. A princípio promovidas pelas lideranças locais com apoio dos oradores da USE, a partir de 1955 e 1956 passaram a fazer parte do próprio calendário da USE Estadual.

Em 1959 foram realizadas as seguintes CONCENTRAÇÕES:

-          15/01/1959 – NA 3ª REGIÃO – CAMPINAS
-          22/02/1959 – NA 4ª REGIÃO – TAUBATÉ
-          12/04/1959 -  NA 2ª REGIÃO – SOROCABA
-          26/04/1959 – NA 6ª REGIÃO – AVARÉ
-          10/05/1959 – NA 7ª REGIÃO – ARARAQUARA
-          28/06/1959 -  NA 9ª REGIÃO – SÃO JOAQUIM DA BARRA
-          26/07/1959 – NA 10ª REGIÃO – PRESIDENTE PRUDENTE
-          09/08/1959 – NA 11ª REGIÃO – SÃO JOSÉ DO RIO PRETO
-          23/08/1959 – NA 12ª REGIÃO – ARAÇATUBA
-          06/09/1959 – NA 13ª REGIÃO -  ADAMANTINA
-          27/09/1959 – NA 8ª REGIÃO – BAURU
-          11/10/1959 – NA 1ª REGIÃO – SANTOS
-          25/10/1959 – NA 14ª REGIÃO – BEBEDOURO

Em Janeiro, também significativo evento foi realizado na Capital: 1º Curso Intensivo para Evangelizadores das Escolas de Moral-Cristã Infanto –Juvenis do Estado de São Paulo.
A idéia de um Curso Intensivo de Preparação de Evangelizadores partiu do Serviço de Evangelização e Orientação Educacional das Gerações Novas, da Federação Espírita do Rio Grande do Sul, quando presidida por Francisco Spinelli.
      O movimento tomou corpo em São Paulo com a iniciativa do Conselho Metropolitano Espírita, que, progamando a Realização da “Semana da Criança” nesta Capital, convidou os representantes dos Departamentos da Infância e da Juventude da FEESP e do Departamento de Educação da USE, ocasião em que ficou decidida a realização do 1º Curso Intensivo.
      Três conferências, além das aulas foram programadas relativas à temática do Curso.
      A primeira ocorreu na noite de 18 de Janeiro, às 20h 30 tendo o confrade Eliseu Rigonatti abordado o tema: “O Papel do Adulto na Formação Moral da Criança”; Segunda, no dia 25 de janeiro, quando o Profº Emílio Manso Vieira falou sobre o tema: “Idades que influem na Formação Moral e Intelectual do Homem”, a terceira, às 20h 30 do dia 1º de fevereiro, quando o tema “Nem Asilos, nem Cárceres – Lares e Escolas” foi discorrido pelo Profº Anselmo Gomes.
      E, ainda naquele mês, aconteceu a auspiciosa IV Concentração das Mocidades Espíritas do Noroeste do Estado de São Paulo em Araçatuba, aberta com a conferência da confrade Carlota Steagall.
      Em fevereiro, uma Delegação da FEB comandada pelo Presidente Wantuil de Freitas visitou São Paulo percorrendo várias Instituições Espíritas e participando do CDE da USE.
      Em Editorial do Unificação de maio de 1959, a USE demonstrou seu contentamento com os frutos da visita febiana, afirmando Ter a mesma servido para dirimir dúvidas que ainda grassavam entre alguns companheiros paulistas e sedimentar as relações entre as co-irmãs.
      No mês de março, outro importante acontecimento marcou o movimento Espírita Paulista. Realizou-se em Bauru/SP a XIII – Concentração de Mocidades Espíritas do Brasil, reunindo, de 26 a 29 desse mês, jovens de quatro Estados, 78 Mocidades, num total de 337 jovens Espíritas.

 

2º CONGRESSO DE MOCIDADES ESPÍRITAS DO ESTADO DE SÃO PAULO


28 A 30 DE MAIO DE 1954


        Convocado pelo Departamento de Mocidades da União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo, este 2º Congresso realizou-se nos dias 28, 29 e 30 de maio na Capital  do Estado, durante os festejos do IV Centenário.
        Os jovens espíritas e suas famílias se encarregaram de receber e alojar os congressistas, recepcionando-os nas estações ferroviárias e rodoviárias e hospedando-os em seus lares, num testemunho vivo de fraternidade e amizade.
        Fizeram –se representar as seguintes Mocidades: de Araçatuba, Ourinhos, Andradina, Bebedouro, Cachoeira Paulista, Jundiaí, Bauru, Jaú, Mogi Mirim, Mineiros do Tietê, Araraquara, Barretos, Sorocaba, Juventude Espírita Lameira de Andrade – Capital, Taubaté , União da Mocidade Espírita de São Paulo – capital, Mocidade Espírita Joseense – SJ Campos, M.E. Emmanuel – Amparo, de Itapetininga, Marília, União das Juventudes  Espíritas Eurípedes Barsanulfo – capital, de Franca, Mocidae Espírita de Ribeirão Preto, Emmanuel, também de Ribeirão Preto, de Campinas, e Mocidade Espírita Estudantes da Verdade – Santos. Aderiram e deram cooperação ao Segundo Congresso muitas outras Mocidades: Mocidade Espírita Cristã Cruzeirense – Cruzeiro, de Caçapava, ,Mocidade Espírita 03 de outubro – Capital, de Catanduva etc. Dos demais estados do Brasil, fez-se representar o Paraná, pela delegação da Mocidade Espírita de Curitiba. Por telegrama, manifestaram sua solidariedade a Federação Espírita Brasileira, os Departamentos das Mocidades da União Espírita Mineira e da Federação Espírita do Rio Grande do Sul.
        A solenidade de instalação deu-se na sede da Sinagoga Espírita , no dia 28 às 15h 20, quando o Presidente da USE, Luiz Monteiro de Barros, após tecer comentários sobre o significativo Evento, empossou como Presidente do mesmo, o Confrade Ary Lex, retirando-se em seguida
Precedida à eleição da Mesa, esta ficou assim constituída:
-          Presidente – Ary Lex – Capital e Vice – Presidentes:
-          No dia 28 – Alcides Hortêncio – Mogi Mirim e Orlando Ayrton de Toledo -  Araraquara
-          No dia 29 – Alcides Sarmento – Jundiaí e Eduardo Neves Castro – Amparo
-          No dia 30 – Altivo Ferreira – Santos e Nelly de Barros – Cachoeira Paulista
Secretário Geral – Paulo Toledo Machado – Capital
Secretários:
-          no dia 28 – Attílio Campanini – Capital e Luiz Ferreira Brasil – Sorocaba
-          no dia 29 – Apolo Oliva – Capital e José Parada – capital
-          no dia 30 – Milton Egrácia – Franca e Olga Neme – Bauru, substituída po Rodarte Balladen – Ribeirão Preto
Assessores Técnicos:
Cícero Pimentel e Nair de Moura
Comissão de Redação:
Armando de Oliveira Lima  - Sorocaba, Dante Gandolfi – capital e Maurício Ferreira – Barretos
Comissão de Teses:
                Antonio Soares de Carvalho – capital, Maria Emília  Barboni – Ribeirão Preto e Orlando Ayrton de Toledo – Araraquara.
                               Entremeadas por apresentações lítero-musicais; pic-nic em Interlagos passeio ao Parque do Ibirapuera, palco das festividades d IV Centenário e ao programa radiofônico A Hora Espiritual – Domingo, 9 h, apresentação de Eurípedes de Castro, realizaram-se cinco sessões plenárias onde foram discutidos temas palpitantes envolvendo o jovem espírita e as Mocidades. Alguns assuntos aprovados passaram a nortear as atividades da juventude espírita- a) aulas de moral cristã ministradas pela Mocidade; b) estudo metódico da Codificação; c) orientação sexual ao jovem espírita; d) maior divulgação das Mocidades; d) maior divulgação das Mocidades em órgãos de imprensa; e) incremento das atividades assistenciais; f) que outros jovens sejam atraídos para a Mocidade através dos jogos, festivais excursões; g) que as Mocidades sejam autônomas ou departamentais, de acordo com suas necessidades e conveniências.
                Esta última, talvez tenha sido a decisão mais importante havida, já que deu-se ao jovem a liberdade que ele tanto ansiava. A maioria dos dirigentes de Centros queria que os jovens ficassem atrelados às suas decisões, realizando apenas o que lhes fosse determinado pelos adultos. Tal situação não era aceita pelos jovens mais independentes, que lutaram e conseguiram a autonomia das Mocidades que assim desejassem, inclusive terem sua própria personalidade jurídica.
                A solenidade de encerramento iniciou-se as 20h 30 sob a Presidência de Luiz Monteiro de Barros, Presidente da USE E Ary Lex, Presidente do Congresso, secretariado por Paulo de Toledo Machado. Tomaram assento à mesa demais membros do Departamento da USE, Cícero Pimentel e Nair de Moura ; representantes da Sinagoga Espírita Nova Jerusalem, Liga Espírita do Estado de São Paulo, Hora Espiritual e Federação Espírita do Estado de São Paulo. Aberta a Reunião, foi feita a leitura das resoluções finais que foram aprovadas. Os salões da Federação estavam literalmente tomados.  Falaram os representantes de Andradina, Girofel Orestes, de Amparo, Maria Aparecida de Ourinhos, Neuza Gonçalves Silva, de Sorocaba, Armando de Lima, SP, Eden Dutra Nascimento, do DM. (...)


Fato Histórico e interessante quanto à Importância de ser a Mocidade Espírita, um GRUPO DE ESTUDOS:

Na área jovem, a capital paulista contava com a fundação por Romeu de Campos Vergal, em 1937, da União da Mocidade Espírita de São Paulo, a qual foi responsável pela formação de atuantes líderes e expositores espíritas. Há registros de Mocidades Espíritas fundadas na mesma década na capital e no interior. Neste último  foram iniciadas confraternizações jovens de abrangência regional, estadual e nacional, entre 1948 e 1967. O 1º  Congresso de Mocidades Espíritas do Brasil aconteceu de 17 a 27 de julho de 1948, no Rio de Janeiro-RJ, sendo Leopoldo Machado o líder marcante. No mesmo ano, nasceu em Barretos/SP, a Concentração de Mocidades Espíritas do Brasil Central e Estado de São Paulo (COMBESP). Este evento, várias vezes sediado por cidades paulistas, até seu encerramento também em Barretos/SP em 1966, foi responsável pelo estímulo e disseminação de Mocidades Espíritas, inclusive, tendo propiciado o aparecimento e vários expositores espíritas. O primeiro evento seccional do Estado de São Paulo foi a Concentração de Mocidades Espíritas do Noroeste do Estado de São Paulo (COMENOESP), realizada na cidade de Penápolis/SP, em Janeiro de 1956, sob a liderança de Orestes Girofel. A partir dela surgiram as Confraternizações das demais regiões do Estado, LESTE, NORDESTE, CAPITAL E ARREDORES, contando com o acompanhamento do Departamento de Mocidades da USE. Em 1967, por iniciativa da USE, ocorreu a 1ª Confraternização de Mocidades e Juventudes Espíritas do Estado de São Paulo. O movimento das mocidades espíritas nas décadas de 50 a 60, foi responsável por debates e estímulo à introdução de reuniões de estudo e de cursos nos Centros Espíritas, até então muito voltados a reuniões mediúnicas e à assistência social.

Espiritismo e Modernidade – Antonio C. P. Carvalho – USE



Tópicos Importantes:





MOVIMENTO JUVENIL ESPÍRITA EM SÃO PAULO, NO BRASIL E NO MUNDO 
 
 
1ª MOCIDADES ESPÍRITA NO MUNDO: 
ê
Foi iniciado em New York, no dia 25 de janeiro de 1863, por Andrew Jackson Davis iniciou o movimento de jovens espíritas no mundo. Davis foi um extraordinário médium americano nascido em 11 de agosto de 1826, em Blooming Grove, Orange County, Estado de New York. Desencarnou em 1910.
As reuniões eram dominicais e nelas faziam-se promoções em torno da verdade, do amor, da beleza, da arte, da saúde, da ciência e da filosofia. Essa instrução, entretanto, deveria ser ministrada de quatro maneiras diferentes. Fisicamente por exercícios e diversões sadias; intelectualmente, pela leitura e o estudo; moralmente, pelo estudo da mente e o encorajamento ao aprofundamento de raciocínios; e com mais ênfase, espiritualmente, pelo exame das verdades que constituem o eixo da vida.
 
AS MOCIDADES ESPÍRITAS SE ESPALHAM PELO MUNDO NO INÍCIO DA HISTÓRIA....
NO BRASIL, TOMAM FORÇA E ESTABELECEM RAÍZES 
 
A Inglaterra foi o segundo país a acolher o movimento de jovens espíritas, levado à ilha por James Burns, editor do Medium and Daybreak
A 22 de maio de 1932 moços espíritas  se reuniam em São Paulo e ali, no Centro Maria de Nazaré, constituíam o primeiro núcleo de que se tem notícia em terras do Cruzeiro. Tal qual sucedeu com o movimento esboçado por Davis, a idéia se propagou. O segundo núcleo brasileiro parece ter sido em Santos, Estado de São Paulo, fundado a 14 de junho de 1934. O Andrew J. Davis brasileiro chamou-se Luís Gomes da Silva.
Em 2005, o Departamento de Mocidade da USE / Estadual , participou de importante atividade na Europa, visando revitalizar o Movimento Espírita Juvenil, principalmente na Inglaterra e Portugal.
Tendo por modelo o grupo paulista, em 1936 outras entidades de jovens começaram a surgir no Rio de Janeiro
 
 
 
O BRASIL TEM HOJE O MAIOR NÚMERO DE MOCIDADES ESPÍRITAS DO MUNDO!
COM O CRESCIMENTO DAS MOCIDADES ESPÍRITAS, O MOVIMENTO ESPÍRITA TORNOU-SE FORTE E AS ATIVIDADES DE UNIFICAÇÃO SURGIRAM ATRAVÉS DOS SEMINÁRIOS, ENCONTROS E CARAVANAS
“MOCIDADE  : Porta de entrada da DOUTRINA ESPÍRITA NAS SOCIEDADES ESPÍRITAS” – Pensamento vivo de LEOPOLDO MACHADO
 
Leopoldo Machado, um entusiasta ardoso, um animador incansável e um realizador fecundo. Deve-se às suas periódicas excursões doutrinárias pelo interior do país, a proliferação de grande número de Mocidades, do qual ainda hoje muitas sobrevivem, realizando algumas obras de remarcado cunho cristão.
Leopoldo Machado acreditou na força do moço, como mola propulsora para renovação de valores ao Movimento Espírita; acreditou nos Congressos, nas Semanas Espíritas e nas Confraternizações, como forma de promoção. Lutou tenazmente para desencastelar muitos espíritas que só pensavam em termo de suas instituições, porque acreditava que o Espiritismo é Luz, é sol que no futuro próximo iluminará toda a humanidade.
               Do movimento desencadeado e intensamente desenvolvido, surgiram a “União da Juventude Espírita do Distrito Federal” e o “Conselho Consultivo de Mocidades Espíritas do Brasil”, este último foi instituído pelo I Congresso de Mocidades Espíritas do Brasil, que ocorreu no período de 17 a 23 de julho de 1948
               Esse Congresso foi uma das mais belas e proveitosas realizações espíritas de todos os tempos, no sentido positivo da continuação de suas resoluções. Os frutos desse congresso, até hoje estão sendo colhidos, pois a direção do Movimento espírita atual, está quase inteiramente nas mãos dos jovens de 1948.


Como andam as atividades do Departamento de Mocidade no Estado de São Paulo ?

                        O DM/USE – Estadual, conforme artigo 2º do Regimento Interno, tem como funções e objetivos, auxiliar no crescimento das Mocidades Espíritas através dos Órgãos de Unificação do Estado. O DM/USE dividiu o Estado de São Paulo em 04 (quatro) macro-regiões para melhor atender às suas funções junto aos 24 (vinte e quatro) Órgãos Regionais de Unificação existentes. Assim, visa dinamizar as atividades Estaduais, promovendo a integração dos núcleos e o fortalecimento didático e pedagógico das Bases: Mocidades Espíritas.
                        Em 2004, fizemos um breve levantamento e concluímos Ter hoje, o Estado de São Paulo, aproximadamente 1200 Mocidades Espírita, adesas às Instituições Espíritas, pois não podemos nos esquecer que é a Mocidade Espírita, um departamento da Casa Espírita.

                        Diversas são as formas que utiliza o DM/USE – Estadual para atender as necessidades do Estado e conseqüentemente das Mocidades Espíritas.
                        Realizamos todos os anos, durante o período da chamada “semana santa”, as Confraternizações das Mocidades Espírita.  Nas macro-regiões:  Leste (COMELESP),  Centro-Leste (COMECELESP),  Nordeste (COMENESP) e Noroeste (COMENOESP). Têm as Confraternizações o objetivo maior de executar as funções do DM/USE, através da troca de experiências entre os jovens espíritas, mocidades espíritas e todos os órgãos de unificação. Estudo da Doutrina Espírita através de temas específicos, atividades artísticas e culturais, cercam as concentrações, que hoje já completam aproximadamente 45 anos de existência.
Em 2005, realizarmos essas Confraternizações, respectivamente nas cidades de: Cruzeiro, Campinas, Jales e Araçatuba. Participaram cerca de 300 jovens em cada cidade.
                        A cada cinco anos (quinquenalmente) o DM/USE –Estadual, faz acontecer também na chamada “semana santa”, a COMJESP – Confraternização das Mocidades e  Juventudes Espíritas do Estado de São Paulo. Nesse período as Confraternizações Seccionais não ocorrem e num só espaço, todas as macro-regiões do Estado se unem para uma atividade em conjunto. É um trabalho quatro vezes maior, porém, a alegria e o momento vivenciado são fatores inegociáveis. Rio Claro/SP está se preparando há pelo menos 04 anos para a realização da 8ª COMJESP em 2006. Serão esperados aproximadamente 1000 jovens espíritas de todo o Estado que estudarão o tema “SEXO – Não reprimir nem aviltar – EDUCAR”. 
                        Realizamos também, bienalmente (a cada dois anos), um encontro específico para capacitação e reciclagem das comissões diretoras. É o EECDME (Encontro Estadual de Comissões Diretoras de Mocidades Espíritas). Objetiva reunir dirigentes, secretários em geral para uma avaliação do período vivenciado e programação de futuras atividades. É um momento fantástico, pois as atividades objetivam o aprimoramento e fortalecimento das comissões para a melhoria das bases. Em 2004, no mês de Novembro, São Paulo-SP (Capital), foi sede desse evento, recebendo aproximadamente 60 cidades, 23 órgãos Regionais de Unificação, 110 Mocidades Espíritas, um total de aproximadamente 220 participantes. Mais uma conquista para todos nós! O Próximo EECDME será no ano de 2007, na cidade de São José do Rio Preto/SP.
                        Todas as atividades do DM/USE – Estadual são organizadas com a participação de todo o Estado. Para facilitar o trabalho e a integração de todas as Regiões, fazemos acontecer as chamadas “REUNIÕES GERAIS”. Elas acontecem a cada três meses, ou seja, quatro vezes por ano. A cada reunião, escolhemos uma macro – região do Estado para facilitar as viagens para todos. Nessas Reuniões, são convocados as comissões diretoras dos Órgãos de Unificação (DM/USE - Regionais) , representantes das cidades sedes dos eventos (Prévias, Reuniões, Confraternizações e Encontros Estaduais), Comissões Doutrinárias entre outras. Um grupo de aproximadamente 60 pessoas. Acreditamos que as Reuniões Gerais trazem retornos de extrema importância para as atividades de Unificação e , para o fortalecimento das Mocidades.
                        Podemos observar que o Cronograma de atividades do DM/USE – Estadual é repleto. Numa visão geral, apontamos pelo menos uma atividade a cada mês, integrando todo o Estado.
                        Para atender as necessidades das Instituições Espíritas, temos um arquivo de Materiais utilizados em todas as atividades. Desejando, a Mocidade, obter esses programas e apostilas, basta solicitar ao DEPARTAMENTO, que será um prazer encaminhar.

                        Estudando a história das Mocidades Espíritas como também os grandes vultos que fizeram essa história acontecer e percorrer os anos até os dias atuais, observamos a eterna presença de Leopoldo Machado.  Acreditava que seria a Mocidade Espírita, a “porta de entrada” da Doutrina Espírita nas Casas Espíritas. Com esse pensamento, também acreditamos que os jovens espíritas darão continuidade nas atividades de suas Casas e de forma direta estarão assumindo funções dentro de todo o Movimento de Unificação.
                        Com essa realidade já acontecendo em muitos lugares, devemos ficar atentos ao Espaço que se destina às Mocidades Espíritas.
                        Preparar os grupos de jovens e integrá-los aos demais departamentos da casa espírita e do movimento espírita como um todo, é função de todos nós.
                        A visualização e planejamento do Futuro, já está acontecendo. Se desejarmos o melhor para o futuro das Casas Espíritas e o melhor desenvolvimento do Movimento de Unificação, precisaremos então, proporcionar uma maior atenção para os grupos jovens e fortalecer um crescimento de mãos dadas (“jovens e adultos” – vivenciando acima de tudo, os reais objetivos da EDUCAÇÃO: Construção em conjunto do crescimento).
                        É URGENTE repensar  o futuro das Casas Espíritas. Apostar  na Juventude e oferecer subsídios para isso – É TAREFA FUNDAMENTAL!




Dados reunidos por :
DM/USE – Estadual
Francis Fernando Lobo / Diretor
p/ Comissão Diretora
Contatos:
Fonte: Arquivos da USE e arquivos pessoais dos colaboradores do DM/USE em toda sua história.

4 comentários:

EX-PRESIDENTE ESMERALDO-DINHO disse...

PARABÉNS AOS ORGANIZADORES DESSE MARAVILHOSO REGISTRO HISTÓRICO SOBRE O TRABALHO DAS MOCIDADES ESPÍRITAS NO MUNDO. FRATERNALMENTE, ESMERALDO BEZERRA CAVALCANTI TOMAZ VILLAS-BOAS (DINHO), EX-PRESIDENTE DA MOCIDADE DA SECA-SOCIEDADE ESPÍRITA DE CULTURA E ASSISTÊNCIA DE NATAL-RN.

Lu Beheraborde disse...

Agradeço as palavras tão lindas... ABRAÇOS FRATERNOS!!!

ESMERALDO VILLAS-BOAS, EX-PRESIDENTE DA MOCIDADE DA SECA. disse...

AQUI NO BRASIL, EXISTE O REGISTRO DA MEB-MOCIDADE ESPÍRITA DE BEBEDOURO SÃO PAULO, LIGADA AO CENTRO ESPÍRITA "DO CALVÁRIO AO CÉU". A MEB FOI FUNDADA EM 1931 E, É ADMINISTRADA POR UM PRESIDENTE E UM VICE-PRESIDENTE ELEITOS PELO VOTO DIRETO DOS JOVENS. O ATUAL PRESIDENTE DA MEB, É O JOVEM RODOLFO BUZULLINI. O PRESIDENTE ANTERIOR ERA O JOVEM VITOR FERREIRA GOMES. CASO OS IRMÃOS QUEIRAM PESQUISAR, O PRESIDENTE RODOLFO BUZULLINI TEM UM PERFIL NO ORKUT E, NO FACEBOOK. O EX-PRESIDENTE VITOR FERREIRA GOMES, TEM UM PERFIL NO FACEBOOK. A MOCIDADE DA SECA-SOCIEDADE ESPÍRITA DE CULTURA E ASSISTÊNCIA DE NATAL-RN, DA QUAL FUI PRESIDENTE, FOI FUNDADA EM 1974 E, TEVE QUATRO PRESIDENTES A SABER: ADRIANA COCINELL DE LIMA MOURA (1974 A 1978); MARCELO VICENTE DE AGUIAR (1978 A ABRIL DE 1979; CRISTIANO BEZERRA CAVALCANTI TOMAZ VILLAS-BOAS (ABRIL DE 1979 A JANEIRO DE 1980) E, ESMERALDO BEZERRA CAVALCANTI TOMAZ VILLAS-BOAS (DINHO), (JANEIRO DE 1980 A JUNHO DE 1986). APÓS ESSE PERÍODO, A MOCIDADE DA SECA, PASSOU A SER ADMINISTRADA POR UM COORDENADOR DE JUVENTUDE NOMEADO PELO DIRETOR DO DIJ E, ESSE SISTEMA PERSISTE ATÉ A PRESENTE DATA. OS EX-PRESIDENTES ACIMA CITADOS, FORAM ELEITOS PELO VOTO DIRETO EXCETO, MARCELO VICENTE DE AGUIAR QUE ERA VICE-PRESIDENTE DE ADRIANA COCINELL DE LIMA MOURA E, FOI EMPOSSADO PRESIDENTE COM A RENÚNCIA DA TITULAR E, CRISTIANO BEZERRA CAVALCANTI TOMAZ VILLAS-BOAS QUE ERA VICE-PRESIDENTE DE MARCELO VICENTE DE AGUIAR E, FOI EMPOSSADO PRESIDENTE COM O AFASTAMENTO DO TITULAR.A MOCIDADE DA SECA, FOI FUNDADA EM 05 DE MARÇO DE 1974, PELO ORADOR ESPÍRITA E, PROFESSOR UNIVERSITÁRIO, IRMÃO ADERSON LOURENÇO DE ARAÚJO QUE DESENCARNOU EM 1988. O PROFESSOR ADERSON ARAÚJO, FOI PRESIDENTE DE UMA MOCIDADE ESPÍRITA DENOMINADA "MOCIDADE ESPÍRITA EURÍPEDES DE BARSANULFO" QUE TEVE COMO SUA SUCESSORA A ATUAL MOCIDADE DA SECA.ESSE REGISTRO HISTÓRICO, SE ENCONTRA NA ENCICLOPÉDIA "WIKIPEDIA". A EX-PRESIDENTE ADRIANA COCINELL DE LIMA MOURA, ATUALMENTE, É MÉDICA GINECOLOGISTA EXERCENDO A PROFISSÃO DE MÉDICA EM BRASÍLIA-DF. O EX-PRESIDENTE MARCELO VICENTE DE AGUIAR É ARTISTA PLASTICO. O EX-PRESIDENTE CRISTIANO BEZERRA CAVALCANTI TOMAZ VILLAS-BOAS É EMPRESÁRIO DO RAMO IMOBILIÁRIO E, EU, EX-PRESIDENTE ESMERALDO BEZERRA CAVALCANTI TOMAZ VILLAS-BOAS (DINHO), SOU ADVOGADO CIVILISTA E TRABALHISTA E, EXERÇO MINHA PROFISSÃO EM GOIÂNIA-GOIÁS, JOÃO PESSOA-PB E, NATAL-RN. UM GRANDE ABRAÇO NOS IRMÃOS E, ESPERO TER CONTRIBUÍDO COM MAIS UM REGISTRO HISTÓRICO. FRATERNALMENTE, ESMERALDO-DINHO, EX-PRESIDENTE DA MOCIDADE DA SECA.

EX-PRESIDENTE ESMERALDO-DINHO disse...

BOM DIA! DESENCARNOU, HOJE 07/11/2012, O JOVEM ARTHUR MACHADO LOMBARDO, EX-PRESIDENTE DA MEB-MOCIDADE ESPÍRITA DE BEBEDOURO-SÃO PAULO. NOSSA SOLIDARIEDADE AOS FAMILIARES DO EX-PRESIDENTE ARTHUR LOMBARDO.

Postar um comentário