DESENCARNAÇÃO




A morte  não deve teme-lá, ela é conseqüência natural de uma encarnação que chega ao final.

Confeccionar a lagarta, a borboleta, o casulo e os galhos de uma árvore.

BIBLIOGRAFIA ( além da bibliografia básic a) Prática Pedagógica na Evangelização (vol. 2)
A Vovó sabe tudo – tema: A Morte - Editora Espírita Cristã Fonte Viva

OBJETIVO:
Levar a criança a compreender o que é a morte e que não deve teme- la, ela é conseqüência natural de uma encarnação que chega ao final.

DESENVOLVIMENTO:

Contar a história do livro A Vovó sabe tudo – tema: A Morte
Para dar maior dinamismo à história e fazer com que as crianças se envolvam mais, confec cionar a lagarta, a borboleta, o casulo e os galhos de uma árvore, para contar como acontece a metamorfose.
** Mostrar as transformações da lagarta em borboleta, relacionando a libertação da borboleta ao sair do casulo, ao Espírito que deixa o corpo na desencarnação.
História: A vovó sabe tudo.
I - BRINCANDO E APRENDENDO
Vovó Esmeralda tricotava, enquanto, por cima dos óculos, cuidava de seusnetinhos que brincavam na redondeza.
Depois de certo tempo, cansados de brincar cada um por si, os meninos vieramassentar perto de Paula, que lia poesias.
Conversa vai, conversa vem, Paula contou que a poesia que acabara de ler dizia que nascer e morrer são acontecimentos da vida.
Este assunto deixou Luizinho arrepiado que até pedira:
_ Não fale em morte! Eu tenho medo.
_ Mas o que é a morte? Perguntou Roberto com ares de intelectual.
_ Não sei explicar. Disse Paula.
_ Nem eu. Complementou Luizinho.
_ Acho melhor a gente perguntar à vovó...
_ Vamos, a vovó sabe tudo! Concordaram todos.
II - CONVERSANDO COM A VOVÓ
Um após o outro, seguiram até o banco onde vovó os observava.
Tão logo chegaram, vovó Esmeralda perguntou com a sabedoria de quem já viveu muito:
_ O que houve crianças? O que está perturbando vocês?
_ Estou com medo, vovó! Respondeu Luizinho.
_ Medo de que? Perguntou vovó Esmeralda.
Antes que Luizinho respondesse, Paula explicou:
_ Estou lendo uma poesia que diz que nascer e morrer são fatos naturais davida, aí Luizinho ficou com medo e o Roberto quis saber o que é morte, mas nós não soubemos explicar.
_ Então viemos lhe perguntar. Completou Roberto.
Aparentando indiferença às preocupações das crianças, vovó Esmeralda olhouem volta como se procurasse alguma coisa no jardim.
Continuou em silêncio até que seus olhos brilharam quando encontrou o queprocurava.
III - A PASSAGEM
_ Meus queridinhos, olhem que beleza aquela flor! Vejam , continuou a vovó,aquela borboleta como é linda. Observem como a vida está presente por todosos lados. Olhem...
_ Vovó, acho que a senhora não entendeu a nossa pergunta. Atalhou Paula,interrompendo a fala da vovó.
_ Nós queremos saber é o que é a morte.
Vovó Esmeralda com paciência e serenidade de que lhe eram peculiares,respondeu carinhosamente:
_ Meus queridos, não há motivos para vocês se preocuparem tanto assim comesse assunto. Deus, que é Pai bondoso, não permitiria que nos acontecessecoisa ruim. A morte é uma passagem desta vida física para a vida espiritual.
_ Como assim vovó? Quis saber Luizinho que não entendeu bem esta coisa defísico-espiritual.
_ Mas vovó, é verdade que todos...que todos nós vamos morrer? PerguntouRoberto preocupado.
IV - A BORBOLETA
_ Sim, isto é verdade, respondeu vovó Esmeralda. Mas só o corpo morre, e ele é uma sala de aula para o espírito.
_ Como assim?
_ Vejamos a borboleta. Ela passa por vários corpos durante a sua vida para dar o seu vôo majestoso.
_ Vocês conhecem as transformações da borboleta? perguntou a bondosaEsmeralda.
_ Não!Deve ser legal. Conta prá nós vovó. Conta, insistiu Luizinho.
_ A borboleta - diz vovó - nasce inicialmente de um pequeno ovo, a futura
borboleta ensaia seus movimentados no desajeitado e irrequieto corpo de umalarva.
V - O SONO PROFUNDO
Treinada nos movimentos, ensaia os passos no corpo, agora transformado, dacomilona lagarta.
É hora do sono profundo...
A lagarta, tem dentro de si a futura borboleta. Ela sabe que precisa dormir para a grande transformação. Caminha silenciosa ao local onde deve adormecer. Deixa de ser comilona. Pára, se enrosca e se transforma num casulo, aparentemente sem vida. Morre para o mundo...
Vovó fez uma pequena pausa.
_ E aí vovó? Ela morreu mesmo? Pergunta Paula curiosa.
VI - A METAMORFOSE
_ Não, querida. Sorriu e completou a vovó : É como se ela estivesse trocando de roupas.
Passados alguns dias, depois de várias transformações, nasce do casulo inertea borboleta de extraordinária beleza.
Trêmula, inibida, encara o mesmo mundo em que vivera antes, como se nunca otivesse conhecido.
Ensaia os primeiros movimentos com suas lindas asas. Voa , voa... Olha de cima, o solo em que antes rastejava com seu pesado corpo de lagarta. É a beleza da vida superando a morte...
_ Então morrer é isso vovó? pergunta Roberto.
_ Meus queridos, a metamorfose da borboleta serve apenas para ilustrar o que a vovó quer explicar. Conosco acontece uma transformação parecida apenas.
_ Como assim vovó? Quis saber Luizinho.
_ A nossa vida também continua, independentemente do corpo, que é como ocasulo da borboleta. Deixamos para trás ao morrermos, mas seguimos com onosso ser espiritual, a nossa alma, o nosso ser que é imortal...
Continuamos a ser nós mesmos, com nossos pensamentos, nossa personalidade e gostos. A vida não cessa com a morte. A morte é como se fosse uma troca de roupas, assim como a borboleta trocou de corpo.
_ Entenderam? perguntou a vovó.
_ Quase tudo! Responderam todos.
Vovó Esmeralda sorriu um sorriso de quem já viveu muito , de quem é pacientee sabe que vai ter tempo para ensinar e aprender muito mais...
( Morelli, Jaci. in: A Vovó Sabe Tudo. Tema : A morte. Edição Editora
Espírita Cristã Fonte Viva. Obra classificada em 2o lugar no I Concurso de Literatura Infantil da AME/BH - publicação devidamente autorizada por editora Fonte Viva)





Anexo (estudo)

Não faço idéia de quantas pessoas já me pediram para explicar como criar uma lagarta até que ela sofra metamorfose e se torne uma linda borboleta! Gostaria de dizer que o melhor lugar para obter uma borboleta feliz é na natureza e não na nossa casa. Mas vamos lá!
[1] Se você encontrar uma lagartinha, preste muita atenção em que árvore ela estava se alimentando, pois será necessário pegar uma boa quantidade das folhas dessa árvore para que não falte alimento. Se a planta não estiver em um local fácil, pegue uma quantidade maior de folhas e guarde-as em um saco plástico na geladeira.
[2] Como você não saberá o hábito da espécie, é preciso levar também também um pouco do solo próximo a árvore. Isso por que, algumas espécies precisam de se enterrar para sofrerem metamorfose, mas pode ser que ela prefira prender-se em um pedaço de madeira.
[3] Em casa, prepare um recipiente (pode ser uma garrafa pet cortada, caixa de sapato ou um vidro): coloque o solo coletado no fundo, um galho da árvore onde a lagarta estava, deixando também algum suporte caso ela necessite para prender o casulo. Tampe com filó ou tela-mosquiteiro.
[4] Coloque a lagartinha no recipiente. É claro, longe do sol, frio e  ar condicionado, não é? Não se preocupe, a lagarta sabe muito bem como se virar. No início ela precisa comer muito e o tempo em que ela precisa para se tornar uma borboleta depende da espécie. A lagarta não pode ficar sem alimento de forma alguma.Troque as folhas velhas por outras frescas e jogue fora as fezes diariamente.
[5] Não se assuste se sua lagarta “soltar a pele”(sofrer ecdise). Isso é muito normal, é sinal que ela está crescendo e precisou trocar a camada externa da pele. Não toque nela quando a pele soltar, pois ela fica extremamente sensível por um tempo.
[6] Depois de alguns dias, a lagarta vai parar de comer, ficar quietinha e se transformar em uma crisálida ou pupa. Nessa etapa, ela vai se enterrar, ou formar um casulo pendurado em algum cantinho do recipiente. Ela precisa de muita tranquilidade nessa fase, pois é o momento em que ela vai usar toda a energia para se transformar em uma borboleta. Embora a pupa pareça estar imóvel, ocorre uma tremenda atividade em seu interior. A estrutura da lagarta está sendo quimicamente destruída e uma borboleta é reconstruída. Aí é só esperar mais alguns dias, tenha muita paciencia e não fique tocando na pupa, ok?

[8] Quando a borboleta está pronta, vão ser liberados alguns hormônios que servem para “amolecer” o casulo. A borboleta vai romper o casulo e ficar presa nele com suas asas pendurados para baixo. A borboleta não será capaz de voar, pois suas estruturas estão amassadas e úmidas. Seja paciente! Depois de várias horas, a borboleta estará pronta para o seu primeiro voo. Mas não esqueça de fazer uma linda foto para me enviar, vou adorar publicar aqui no site!

———————————————
Obs. Cuidado com as lagartas “peludas” (com cerdas), elas podem machucar você. Prefira aquelas com pele lisa, ok?
(chegou sem menção de autoria ou fonte. Se Souber qual seja, por favor nos informe, afim de darmos os devidos créditos)

4 comentários:

Casa Espírita "18 de abril" disse...

aula linda!

Ruthyelen Matias disse...

Com essa aula fiz uma peça teatral ao ar livre fiz alguns acréscimo dando uma aula de ciência explicando o que é metamorfose e filmei tudo e montei um pequeno filme editado com os alunos e no dia da apresentação além da explicação teve até troféu imprensa feito de caluguinho e chocolate com direito a tapete foi um sucesso recomendo

fatima disse...

Vejo nessa história excelente sugestão para se aplicar nos encontros de evangelização de diferentes maneiras.
Irei apresentá-la de forma dramatizada para um grupo da Terceira Idade.

fatima disse...

Vejo nessa história excelente sugestão para se aplicar nos encontros de evangelização de diferentes maneiras.
Irei apresentá-la de forma dramatizada para um grupo da Terceira Idade.

Postar um comentário